O Tabu do Fio Terra

Pequenos Delitos sempre saindo na frente e abrindo o verbo quanto aos tabus sexuais. No post de hoje, ele está tocando em um assunto delicadíssimo no maravilhoso post A Última Trincheira. É claro que eu comentei com propriedade, diga-se de passagem, e achei interessante transcrever meu coment aqui, mas vale ir lá e comentar também.

      Serei direta, e antes de tudo, compreensiva. O tabu é algo cultural, tanto da parte dos homens quanto das mulheres, muitas acham que um homem que tem prazer com esta prática é gay quando, no entanto, a maioria sequer se imaginou com um homem algum dia. Cabe à mulher ter conhecimento da anatomia masculina e principalemnete da psicologia do ato. É prazer, nada mais que isso. Não vamos acabar com isso de uma hora para outra e nem quero sair por aí levantando bandeiras: “Rapazes, liberem o fio terra!”. Respeito os que não gostam e não é nenhuma via de regra ter que comer um cu. No entanto, até hoje comigo, todos os homens que se renderam ao carinho, gostaram, mas… A exemplo do PD, nenhum ficou freguês, apesar do prazer. Acho que é charminho, igual mulher que dá o cu. A gente não vive liberando a 3 por 2, não é mesmo?!

Existem maneiras deliciosas de “comer” um homem. E chupar dedando… Hummmm… Nem sei o que dizer. Acho que é a melhor. Nada se compara à carinha de prazer dele. Para este tipo de prática não precisa de nada mais que as duas primeiras falanges do dedo médio, não estupra ninguém e é perfeito para massagear a próstata enquanto chupa e dá prazer. Uma camisinha no dedo já dá a lubrificação necessária para não causar nenhum desconforto ou dano por causa da unha.

Uma prática um pouco mais agressiva, mas não menos prazerosa, é submetê-lo à penetração gradativamente. Um dedo, dois, três, quatro… Preencher o outro e executar um vai e vem, literalmente comendo-o. Para tal prática eu costumo usar luva de latex e ky gel.

A massagem prostática, que pode ser feita com o dildo (pau de borracha) ou com dois dedos, deve ser com o cara de quatro e pode ser feita como uma ordenha. Esta mesma prática pode ser usada como prêmio ou castigo, é possível (eu já fiz) fazer o cara ejacular sem gozar, esvaziar todo o sêmen, sem prazer. Ou… Massagear a próstata manipulando o pau como a teta de uma vaca e levá-lo ao prazer total. Bastante interessante.

Outra também interessante, mas que uso mais como prática de humilhação (eu curto S&M, né?!) é o uso do plug anal, um plug de borracha anatomicamente desenhado para ser introduzido e encaixado no cu. A ponta é fina, vai alargando como um cone, até afinar agressivamente na base e ter novamente um suporte largo no fim. Literalmente um plug. A parte mais larga é intencionalmente assim para fazer pressão na próstata. E o que inicialmente é um incômodo, depois transforma-se em prazer. Nesta prática, além da camisinha costumo usar também KY gel.

E a mais hard e não menos deliciosa é o “strap on”, que é aquela onde a mulher coloca uma cinta de couro e acopla o dildo (pau de borracha) à frente. Confesso que de todas as práticas, esta foi a que eu fui mais resistente. Porque odeio me sentir machona, e é impossível não sentir-se assim, literalmente fodendo o outro. No entanto, é um prazer diferente, não tem como explicar. Já fiz uso desta prática como humilhação e tb numa transa comum com um bissexual. Como humilhação, é bastante interessante ver o homem de quatro inicialmente odiando e depois rendendo-se ao prazer. Já com o bi, foi uma troca, eu como e vc me come, delícia! O detalhe sórdido dessa história, é que eu o comi com o mesmo dildo que foi previamente encaixado em mim numa dupla penetração. Dildo na xota e pau no cu. Vale ressaltar que para cada penetração uma camisinha diferente, nem mesmo com o enema (lavagem intestinal) acho seguro intercalar a penetração.

Um comentário interessante a fazer, é que passei a admirar e amar muito mais os homens após esta prática, afinal, é difícil pra caramba comer um cu… risos. Os movimentos de vai e vem, noooooossa, homens nasceram pra isso!!! Mulheres ainda tem muito o que aprender…