Virgindade Masculina – O primeiro virgem a gente não esquece

Na nossa série “Contos Secretos“, contribuição dos leitores do A Vida Secreta com textos ou relatos, temos mais um texto da Claudia Motta.

Para quem não lembra dela, Cláudia é a autora do comentadíssimo Iniciação, onde uma mocinha que tem himen complacente comenta como foi deixar de ser virgem duas vezes na mesma noite.

O texto abaixo é uma espécie de continuação da saga da mocinha do primeiro texto. Espero que gostem.

O primeiro virgem a gente nunca esquece – Texto de Cláudia Motta

Estamos acostumados a ouvir relatos de homens falando sobre como foi transar com uma virgem. As mulheres normalmente não têm relatos sobre o assunto porque ou nunca transaram com um virgem ou o cara era virgem e ela não sabia. Por razões anatômicas o homem pode “esconder” sua virgindade, afinal não há hímen a ser rompido, e o pau do homem fica duro quando excitado sendo ele virgem ou não. Então, ou ele conta para a mulher ou ela não vai saber, pode até perceber que ele não é muito experiente em sexo, mas é só isso.

Vou contar uma experiência muito interessante que ocorreu comigo. Já contei que tenho hímen complacente e quais são as facilidades e dificuldades de se ter essa peculiaridade. Caso não saibam é um tipo de hímen elástico, não se rompe, na hora da penetração oferece uma certa resistência e isso já foi a causa de muitas “delícias” e “dor” também. Se em qualquer ato sexual há necessidade de que a mulher seja muito estimulada antes da penetração, quem tem essa peculiaridade anatômica precisa de muito mais estímulo da parte do homem e a delicadeza na hora da penetração é fundamental. Na seqüência, o sexo pode ser muito intenso e prazeroso para os dois.

No meu caso, depois de mais ou menos um mês de namoro e amassos resolvemos viajar sozinhos e finalmente ir para a cama. Fomos para um lugar de serra, romântico, com direito a chalé com lareira, vinho e frio, foi no inverno, tempo ótimo para ficar “juntinho” e provocar o tesão.

Chegamos à noite e após o jantar ficamos no chalé bebendo vinho em frente à lareira, os amassos eram inevitáveis e daí para a foda foi um pulo. Começamos a tirar nossas roupas e deitamos sobre um tapete de pele em frente à lareira, tudo parecia perfeito! Eu por ter a particularidade de ter o hímen complacente sabia que precisava estar muito excitada para que a penetração não fosse dolorosa.

Ele como sempre se mostrava muito carinhoso, sabia por experiência anterior dos amassos que ele não era muito “ousado”, mas até gostava disso por ser diferente de outros homens que namorei. Isso me excitava e intrigava, eu queria muito saber como era foder com um homem assim. Descobri que ele era muito “silencioso”, não falava nem gemia, mas naquele momento isso não me importava nem um pouco, estava querendo mesmo era sentir o seu pau dentro de mim.

Deixei que ele tomasse a iniciativa para ver se ousava mais, eu acariciava o seu corpo com a boca e ele retribuía, comecei a chupar seu pau e ele também me chupou, dava para notar a falta de experiência dele nesse quesito, mas naquele momento pensei que ele estivesse muito ansioso e fiquei imaginado qual seria a reação dele quando ao me penetrar sentisse uma certa digamos, resistência. Já estava me preparando para a reação de surpresa que normalmente todos os homens com quem fui pra a cama anteriormente demonstravam, que ia desde:

– Porra! Você é virgem? – até – Nossa, você é super apertada, parece até virgem, uma foda maravilhosa!

Tudo isso passava pela minha cabeça enquanto ele acariciava meus seios e me deixava cada vez mais excitada. Pedi para ser possuída e ele delicadamente se posicionou sobre mim no clássico “papai e mamãe”, me beijava com suavidade. Eu o acompanhei e retribuía suavemente. Senti seu pau na entrada da minha vagina e por instinto empurrei meu quadril com mais força, percebi que ele teve alguma dificuldade para me penetrar, foi também meio complicado para mim. Fiquei esperando a reação dele, como não falou nada, relaxei totalmente até senti-lo inteiramente dentro, ai começamos os vai e vem até que gozamos.

Posso dizer que não demorou muito, mas foi bem intenso. Depois do gozo ficamos abraçados em silêncio por um bom tempo, ele não falou nada sobre ter sentido alguma resistência para me penetrar e isso me deixou intrigada, afinal era a primeira vez que um homem com quem fui para a cama não fazia nenhum comentário sobre o assunto. Atribui sua atitude ao fato dele ser naturalmente reservado, principalmente, quando algo o tocava muito fundo e essa característica dele me encantava e intrigava.

Dormimos um pouco e depois me sentia pronta para outra foda. Dessa vez resolvi que eu ficaria por cima, gosto de alternar, ser dominada e dominar a situação. Comecei a me movimentar suavemente para provocá-lo, mas percebi que se quisesse um ritmo mais intenso teria que me movimentar do jeito que o meu tesão mandasse, comecei a fode-lo cada vez mais rápido e novamente gozamos juntos.

Para mim estava sendo uma experiência totalmente nova: estava tendo que administrar, ao mesmo tempo, o fato de ser “tecnicamente” virgem e estar na cama com um homem que na hora me parecia “pouco experiente. Naquele momento eu ainda não sabia o quanto ele era inexperiente, mas a surpresa maior ainda estava por vir.

Depois de trocarmos muitos beijos e carinhos ele disse que precisava me contar que eu era a primeira mulher com quem ele havia ido para a cama. Que ele achava que eu não havia percebido, ou melhor, desejava muito ter passado esta impressão, mas que se não me contasse isso, ele se sentiria desonesto comigo. Na hora dei risada achando que ele estivesse brincado, mas como o vi muito sério percebi que era verdade. Fiquei sem saber o que dizer, afinal isso nunca havia acontecido comigo. Normalmente os homens que havia conhecido antes é que se surpreendiam comigo, muitos achando que eu era virgem.

Ah! Como a vida nos faz deparar com situações inesperadas. Iniciar um virgem, por essa eu não esperava mesmo! Mais que nunca tomei consciência do quanto é bom vivenciar experiências nesse campo, afinal sempre haverá novos desafios a serem vencidos. Falei que estava surpresa e ele, que tem um sorriso lindo, olhou docemente para mim dizendo: “Você não percebeu porque eu leio muito, também vejo muitos filmes e por isso sabia o que devia fazer e tem mais: case comigo e prometo que sua vida será cheia de surpresas”. Pois é, casei com ele e depois conto como tem sido…