Fetiche por Lutadoras

Tenho um amigo que curte mulheres fortes, do tipo amazona. Acho que a Gracyanne Barbosa, namorada do Belo, deve ser padrão de beleza para ele. Se bem que seu fetiche mesmo são as lutadoras, como Gina Carano e Cris Cyborg, esta última, brasileira. As moças são campeãs de MMA – Mixed Marcial Arts. É algo como um vale tudo. Este padrão estético é o que ele tem como beleza e sensualidade. E sei que como ele, muitos outros também.

Esta semana que passou, um post da Erotic Woman  sobre Luta Feminina, com imagens e indicação de um site, me fez atentar que muito mais do que um padrão estético. Esta predileção por mulheres lutadoras é um fetiche sim. Seja a luta profissional, como o caso das musas do meu amigo, como as lutas de exibição, a exemplo do site citado em seu post, onde há uma direta relação com o fetiche. Inclusive com direito a uma pitada sadomasoquista e  D/s (Domínio e submissão) entre vencedoras e vencidas.

Bom, eu sou fã de jiu-jitsu, boxe e boxe tailandês, não vivo acompanhando de pertinho nada, e nem sou lutadora, mas sou uma apaixonada por lutas e filme de porrada. Particularmente, quando o assunto é fetiche, tais modalidades só me instigam se a luta for mista. A mulher sapecando o cara e vencendo. Já assisti ao contrário, homens “finalizando” mulheres em luta mista e não gostei.

Ah, e também não vejo graça nenhuma em assistir vale tudo feminino ou algo do gênero. No exemplo da Erotic Woman, apesar de todo esfrega, não vi tesão nenhum naquilo. Até porque, tenho pavor de mulher dominando mulher. Prefiro este tipo aqui , onde mulheres malvadinhas abusam dos rapazes submissos.

E deixando minhas predileções de lado, é interessante falar desse universo fetichista da luta. Algumas modalidades tem adeptos apaixonados, mas não chegam a ser um fetichistas, pelo menos não no sentido sexual da coisa. Outras, são uma real expressão fetichista à partir das paixões anteriormente citadas.

Porrada, porrada, porrada

Nunca entendi muito bem o que leva um homem a fazer algo como o Fight Club – Clube da Luta (quem assistiu o filme?), direção de David Fincher, mas eu também não entendo um monte de outras coisas masculinas… Como sei que os homens não entendem tudo (pra não dizer quase nada) de nós mulheres. Jamais entenderei porque o Manual do Macho Moderno 1 e 2 foi tão discutido e tampouco as 10 Dicas para se dar bem numa briga , ambos artigos de sucesso do site Papo de Homem. Tenho que confessar a vocês que lendo os rapazes desde a sua fundação, continuo não entendendo, mas… Uma coisa é possível concluir. Tanta agressividade, ou no mínimo um instinto mais agressivo, é natural à homarada. Vamos, por hora, culpar a testosterona, mas… E a mulherada, como explicar?!

Briga de mulher

Apesar de no auge dos meus instintos ciumentos ter dito que esfregaria a cara da outra no muro chapiscado, nunca fui de brigar com mulher, pelo menos não adulta. Apesar de sempre ter amado ver uma boa porrada. A verdade é que sempre gostei demais dos meus seios, grandes e fartos, e imaginava o que seria tomar uma porrada neles. Não gosto de dor. Ah, e os cabelos?! Briga de mulher sempre tem baixaria, xingamento, puxão de cabelo, tapa e arranhão. Nunca entendi isso. Sempre imaginei que se brigasse (veja bem “se”, nunca briguei com mulher) daria logo um soco para quebrar o nariz dela (e a minha mão delicada também, é claro, por isso sempre pensei melhor). Acho que não teria paciência para puxão de cabelo. Afinal, das brigas femininas que assisti, quase sempre o motivo era um homem. Homem este que ficava de fora não fazendo nada enquanto os outros torciam no melhor estilo Coliseu de Roma pelas duas gladiadoras. Nenhum homem do mundo merece que eu brigue por ele.

Luta feminina (pra homem ver) – Women Wrestling

ultimate-surrender
Ultimate Surrender – Luta feminina

Bom, o que não sei bem explicar é por que alguns homens realmente fizeram dessa paixão um fetiche e ficam de pau duro vendo a mulherada se pegando. Citando mais uma vez o exemplo da Erotic Woman, é possível ver no vídeo indicado por ela como o povo vibra! E vibra tanto na hora da porrada, como na hora da humilhação das perdedoras. Lembra até aquelas lutas na lama, no óleo, no pudim , ou qualquer coisa melequenta em que mulheres possam se pegar com roupas mínimas e, de preferência, perdê-las no meio da luta.

E tenho uma teoria para esta paixão. Nesse tipo de luta o homem consegue unir seu instinto agressivo, com a erotização do elemento feminino. Pouco importa ali, quem ganha ou perde, o que conta mesmo é quem se esfrega mais e perde mais roupa. Mexendo com a fantasia deles. Não sei dizer com propriedade, se o prazer de assistir uma luta de MMA, boxe ou qualquer outra modalidade de luta, masculina ou feminina tem alguma conotação erótica também, mas que para alguns deve ter esta pitada sexual, deve sim.

Luta mista – Mixed Wrestling

mixed-wrestling
Girls Fighting – Luta mista

Neste caso eu acho que rola mais que guerra dos sexos. O homem que se propõe a lutar com uma mulher deve fazer por safadeza mesmo. Eis um momento que eu não sei se tanta esfregação e força leva a uma ereção, mas certamente a lembrança dessa luta mais tarde deve render uma boa luta de cinco contra um, se é que vocês me entendem. Neste caso, ouso dizer que há uma pitada de masoquismo e submissão. Ser dominado pela amazona. Não afirmaria tratar-se de um BDSeMer típico, mas acho que poderia classificar como um fetichista com tendências masoquistas. Eis aqui um bom exemplo do estilo.

Para delírio dos fetichistas

É claro que se você está lendo este texto e não tem fetiche por fortonas, certamente nem sabe como chegou até o final. No entanto, acredite, tem muita gente que gosta sim e que faria o impossível para se envolver com uma. Na internet, existem foruns, onde apaixonados pelo assunto trocam imagens, links e informações sobre o fetiche.

É o caso do Musculosas.com e o Lindas Gatas Musculosas. Ambos de layout muito simples, mas que reúnem um número incrível de adeptos. Tudo com a intenção de “desenvolver no Brasil a prática da luta mista, muscles worship e outras formas de adoração de mulheres musculosas“, como um dos sites afirma. Ou seja, “vamos divulgar o fetiche pra mulherada animar e dar porrada na gente“… risos

Alguém ainda tem alguma dúvida que o universo do fetiche é infinito?