Masturbação Feminina – Como fazer

Ok! Sei que isso parece um trabalho para o Dr. Love do PdH, já que ele está ficando pós-graduado em aconselhar a homarada, mas o pedido abaixo entrou em meu e-mail e foi de um dos meus leitores mais fiéis – segundo ele, já leu 100% do meu blog – que é bem novinho. E como eu acho lindo um homem que se preocupa com o prazer da parceira, resolvi comentar aqui.

Como masturbar minha namorada?

      Oi B, tudo bem? Quando te encontrei online pensei em te perguntar umas coisinhas, mas fiquei meio sem graça, rs… Acho que você é a única mulher a quem eu tenho coragem de perguntar isso… É que eu queria umas dicas de como tocar em uma xota… Como já li no seu blog, você mesma disse que um homem não faz muito bem, e eu queria aprender… Fiz com a minha namorada, ensinei-a a tocar no meu pau… Mas quando fiz pra ela não foram lá grandes coisas… Já é a quarta vez que faço e não consigo fazê-la gozar direito com minhas mãos… Eu faço em conjunto, aqueço com beijos no pescoço e uma chupada nos peitos. Sinto que ela fica molhada, mas não consigo finalizar, rs… Ela só goza mesmo quando eu esfrego meu pau na xota

dela…

Sinto informar aos meus leitores, mas… Não existe receita para masturbar bem uma mulher. E isso por um fato muito simples, tudo mundo gostaria que existisse um Guia para Sexualidade Humana, mas é impossível, porque não há generalização no sexo, cada um é exceção. Assim como cada homem gosta de masturbar-se de uma maneira específica, mulheres também são assim. Pela minha experiência – e olha que já trepei com muita gente – posso dizer que encontrar de cara um homem ou mulher que saiba exatamente como me tocar é quase como acertar na loteria. No entanto, a parte boa é que – felizmente – se o outro tem vontade e paciência, aprende. Eu tenho o maior prazer e paciência em conduzir, ensinar, mostrar… Afinal, é o meu prazer em jogo, né?!

A princípio, mesmo não tendo receita, é importante dizer que a masturbação é algo delicado e íntimo. Definitivamente não é qualquer um que põe a mão aqui. Mesmo no caso do meu leitor – trata-se da namoradinha e parto da premissa que eles têm intimidade – eis a primeira dica.

Vai devagar!

    Se no meio dos amassos, a mão foi descendo e ela deixou ir adiante. Vá devagar, delicadamente. Nada de ir enfiando o dedo. Pelo contrário. O gostoso é justamente ir saboreando o momento. Sinta por sobre a calcinha os pelos, se ela está úmida, continue com os beijos, fale coisinhas gostosas ao ouvido… E se ela deixar a carícia continuar, afaste a calcinha com cuidado e passe o dedo lá. O próprio caldinho dela já é um lubrificante melhor que Ky. É então que vem a próxima dica.

    Pergunte como.

    Adivinhar é proibido! O fato de eu gostar de movimentos leves, ritmo acelerado e constante sobre o clitóris, não quer dizer que todas as mulheres gostem assim. Portanto, pergunte como ela gosta. Pergunte se desta ou daquela maneira está bom. Perceba as reações, muitas vezes nem é preciso perguntar nada, basta saber ler os sinais do corpo dela, os gemidos, as contrações do corpo… Nem toda mulher gosta de irradiar como uma transmissão de futebol o que está sentindo, por isso preste atenção e não pare.

    Dedicação e paciência.

    Ao contrário dos homens que são extremamente visuais, a grande maioria das mulheres é muito mais sensorial. Enquanto a masturba, não se esqueça de estimulá-la de diferentes maneiras. Seja beijando, acariciando com a mão livre, mamando os seios, falando bobaginhas ao pé do ouvido. Pode até parecer difícil prestar atenção em tanta coisa, mas na hora H tudo rola na boa. O corpo feminino é um mistério a ser descoberto, um templo a ser venerado… Não tenha nenhuma pressa. Apenas se delicie com o prazer de dar prazer. Quando o orgasmo vem, o corpo estremece e a gente dá aquela apertadinha com as coxas, hummmmmmmmm… Delícia!

    Nas dicas acima, me limitei à masturbação pela estimulação direita do clitóris, mas apesar do meu leitor achar que não é bem sucedido no ato de masturbar a namoradinha, ele é. Tanto que faz com que ela chegue ao orgasmo pela fricção do pau na xota. Delícia! Arrepia só em imaginar. O primeiro orgasmo – acompanhada – que tive na vida foi assim, sobre a calcinha, com o pau do namoradinho roçando a xota. E também era bom demais.